Bujões do sistema de arrefecimento: plástico ou metal?!

Antes de mais nada, este tópico não tem a pretensão de chegar a qualquer conclusão sobre o melhor tipo de bujão, ou plugue, do sistema de arrefecimento. A ideia é apenas trazer algumas questões e fatos para que cada um decida o que é melhor para o seu motor.

Os motores 300 Tdi possuem dois bujões no sistema de arrefecimento que servem para permitir a saída do ar ao se colocar fluído novo. Essas pecinhas são famosas por quebrarem “do nada”, sem dar nenhum aviso, ou ao serem removidas em manuteções, muitas vezes causando consideráveis prejuízos ao motor devido a perda de fluído e consequente sobre aquecimento (caso isso ocorra com o jipe em movimento). Originalmente esses bujões são de plásticos, sendo as explicações para isso as mais diversas: redução de custos por parte da fábrica, impedir que o bujão “solde” devido a interação entre os metais (do alojamento e do próprio bujão), que o bujão plástico serve como um “fusível” no caso de aumento de pressão do sistema de arrefecimento, entre outras…

Não há dúvida de que diferentes peças de metal irão interagir quando em contato com um líquido e em um sistema que esquenta e esfria constantemente. Contudo o uso de bujões apropriados (de latão, não de ferro), do fluído correto (que possui aditivos anti corrosivos) e a troca completa do líquido dentro do prazo recomendado, reduzem a chance de o bujão “soldar”. Alguns proprietários recomendam também, uma ou duas vezes por ano, soltar os bujões metálicos 1/2 volta e em seguida reapertá-los, apenas para eliminar de vez a possibilidade de eles engriparem. Assim torna-se quase indiferente o uso de bujões plásticos ou metálicos no que tange a corrosão junto ao seu alojamento.

Já quanto a alegada função de fusível do sistema, creio que haja mais perguntas do que certezas: o que causa um aumento da pressão do sistema? Se os bujões são fusíveis, por que há uma válvula (que abre e fecha, quando a pressão normaliza) na tampa do reservatório de fluído? Se os bujões não possuem a capacidade de “fechar” depois de rompidos, o que ocorre após a pressão do sistema se normalizar? Ao romperem e normalizar a pressão, quais componentes do motor são “salvos” e quais correm novos riscos? Quantos motores foram “salvos” pelo rompimento do(s) bujão(ões)? E quantos tiveram que ser retificados? Qual a pressão necessária para romper um bujão plástico em perfeitas condições? E qual a pressão para acionar a válvula da tampa do reservatório? E qual a pressão que uma mangueira suporta?

Para decidir qual tipo de bujão usar eu particularmente considerei os seguintes fatos: a existência de uma válvula na tampa do reservatório, que um bujão rompido permite que o fluído vaze até acabar ou até que o motor super aqueça, que nunca ouvi relato de alguém que foi “salvo” pelo rompimento do bujão, mas já ouvi vários de motores que tiveram que ser retificados por essa mesma razão. Não custa lembrar que essas são os aspectos que eu considerei! Algumas das perguntas estão no parágrafo anterior, portanto use o google e tome a sua própria decisão!!!

No entanto, existe um certo consenso de que se usados da maneira correta os bujões plásticos podem ser mantidos sem nenhum problema: sempre colocar bujões plásticos novos após removê-los, fazer o aperto com o torque e a chave correta (sextavada), usar o fluído de arrefecimento correto, dentro da validade e com a diluição especificada. Desse modo os bujões dificilmente apresentarão quaisquer problemas! Como nem sempre esses cuidados são observados, são os bujões plásticos que levam a culpa…

Para ilustrar a minha experiência com bujões plásticos e metálicos, seguem as fotos abaixo:

teste
Ao tentar remover o bujão para drenar o sistema e trocar a bomba d’água, aconteceu isso…
t
Nunca havia mexido nos bujões, e como comprei o jipe usado, não sabia seu histórico completo de manutenção
t
O bujão quebrado era o da válvula termostática. O do radiador saiu em perfeito estado.
t
Atualmente uso os bujões de latão (cód ERR4686B). Também já usei os de ferro comum, mas não os recomendo em função de engriparem facilmente.
bujaoplastico
Bujão original: sempre usar novos após removê-los e fazer aperto com chave e torque corretos.
bujaometal
Bujão metálico (latão): atualmente em uso!
bujaoferro
Bujão de ferro: usar apenas em emergências e remover o mais rápido possível! Oxidam e “soldam” facilmente no alojamento.

Sinta-se a vontade para deixar sua opinião nos comentários! 🙂

Uma resposta para “Bujões do sistema de arrefecimento: plástico ou metal?!”

Os comentários estão desativados.