Instalando um Snorkel

Introdução

Muitas de nossas Defender’s são equipadas com um acessório clássico: o snorkel. Este equipamento tem como função elevar o ponto onde começa o sistema de admissão de ar do motor, permitindo que o veículo atinja maiores profundidades na água sem risco de sofrer danos no motor.

Contudo isso só ocorre se o snorkel for devidamente instalado, situação onde todos os pontos que eventualmente possibilitem o ingresso de água na admissão de ar tenham sido adequadamente vedados. Quando se trata de atravessar trechos alagados, é preciso lembrar que existem outros pontos do veículo que também devem ser elevados e/ou fechados: respiros dos eixos, respiro do tanque de combustível, respiros das caixas de câmbio e redução, respiros dos reservatórios de fluídos, respiro da bomba injetora e orifícios da caixa seca e da caixa da correia dentada (uso dos wadding plugs).

A prioridade de um snorkel e de todo sistema de admissão é levar ar, e apenas ar, da tomada externa (cabeça do snorkel, neste caso) até os cilindros do motor. Se em algum ponto desse longo caminho houver o ingresso de água, uma quantidade mínima já pode causar sérios danos ao motor ao criar um calço hidráulico que impeça o cilindro de completar seu curso. Com a admissão 100% vedada, a prioridade passa a ser os respiros citados anteriormente, que devem ser elevados até a altura que o proprietário pretende mergulhar o veículo.

Cabe destacar que a elevação dos respiros, embora importante em um serviço “100%”, não é necessariamente obrigatória, pois no caso de mergulho e eventual submersão dos respiros o máximo que pode acontecer é a contaminação de algum óleo, fluído ou combustível. O conserto, nesses casos, se resume a trocar o que estiver contaminado. Alguns proprietários elevam os respiros até o topo do snorkel, o que também não é necessariamente obrigatório, pois a imensa maioria nunca irá mergulhar o veículo até o teto.

Desse modo, o mais importante em se tratando dos respiros é definir a altura que se está disposto a mergulhar e depois colocar os respiros acima dessa linha. Na minha Defender não pretendo mergulhar em profundidades maiores do que o capô do motor, e isso somente em casos de verdadeira necessidade. Logo meus respiros só precisam ficar acima desse ponto.

Em se tratando de uma Defender ainda é preciso considerar que no circuito da admissão de ar original, entre a tomada de ar externa e a entrada de ar para a turbina, existem alguns pontos que merecem extrema atenção: válvula Y, bico de pato da caixa do filtro de ar, caixa do filtro de ar (o’ring da tampa e soldas) e a mangueira da admissão de ar (onde as mangueiras do ar quente passam por sobre esta). Todos esses pontos podem permitir a entrada de água de se não estiverem “100%”, portanto é preciso revisá-los.

Snorkel ou Raised Air Intake (RAI)?

O acessório é exatamente o mesmo, mas ter um snorkel ou um RAI depende unicamente da instalação que é realizada. Um snorkel, na correta definição de uso do mundo 4×4, é um acessório que permite mergulhar o veículo até a altura da entrada de ar deste. Ou seja, quando em um mergulho, a única maneira de a água ingressar no motor é pela “cabeça” do próprio snorkel, pois toda a admissão abaixo deste está 100% vedada.

Já com um RAI, há apenas a elevação da tomada de ar original, mas sem a admissão de ar estar 100% vedada entre a entrada de ar externa e o motor. Ou seja, existem pontos, originais do veículo ou não, que permitem a entrada de água quando em um mergulho. Cabe lembrar que os pontos que permitem a entrada de água quando em um mergulho podem ser originais e ter um função específica no sistema. Exemplos disso são a válvula Y e o bico de pato do filtro de ar, que tem a função de eliminar detritos, poeira e até água (da chuva, neste caso) que são sugados na entrada de ar durante o uso normal do veículo.

Tanto o snorkel quanto o RAI possuem vantagens e desvantagens, dependendo principalmente do uso que é dado ao veículo. Ambos são benéficos por pegar o ar de uma altura maior, onde, pelo menos em teoria, o ar é mais fresco e mais limpo (menos poeira, areia, etc), aumentando assim a durabilidade do filtro de ar e reduzindo a necessidade de limpeza do mesmo. Também é preciso lembrar que ambos possuem a desvantagem de necessitar de furos na lataria para instalação.

A grande vantagem do snorkel é justamente garantir um mergulho seguro em profundidades que atinjam até quase o teto do veículo, ou até onde se localiza a entrada de ar do snorkel. Contudo um snorkel tem a desvantagem de não possuir drenos para água (da chuva), poeira e/ou detritos, que invariavelmente se acumularão em algum ponto da admissão de ar e/ou chegarão até o filtro de ar ou além se não forem regularmente removidos.

Já com um RAI as coisas se invertem: há a vantagem de possuir os drenos e não acumular detritos na admissão, embora não se possa mergulhar até a entrada de ar junto ao teto. No entanto, com um pouco de conhecimento e capacidade de improvisação, um RAI pode ser momentaneamente convertido em um snorkel, bastando vedar os drenos da admissão. Sacos plásticos, pedaços de borracha, abraçadeiras e arame podem servir para praticamente eliminar a entrada de água nesses pontos em uma situação de emergência que exija mergulhar com o veículo além da capacidade do original do RAI.

Por fim, cabe lembrar que um snorkel pode “silenciosamente” se transformar em um RAI. Muitas instalações usam silicone para vedar junções e conexões, sendo o silicone suscetível a ressecamento e trepidação. Abraçadeiras também podem perder aperto e mangueiras podem furar por atrito ou ressecamento. Desse modo, é sempre importante testar seu snorkel regularmente para garantir que ele continue sendo…. um snorkel!

Testando um snorkel

(((desenvolver)))

O tipo ideal de snorkel ou RAI para uma Defender

Existem diversas marcas e modelos diferentes de snorkel ou RAI’s que podem ser instalados em uma Defender, sendo possível até mesmo fazer um modelo caseiro com peças encontradas em ferragens e auto-peças. Contudo, em relação a conexão existente na base do snorkel, todos os modelos disponíveis podem ser classificados em dois tipos: sanduíche ou de tubo.

tttt
À esquerda um snorkel do tipo sanduíche e à direta do tipo tubo.

Os dois tipos de equipamentos mostrados acima podem ser usados como snorkel ou RAI, dependendo unicamente da maneira como são instalados. No entanto, garantir a vedação principalmente a longo prazo dos tipo sanduíche é muito mais complicado. Alguns kits incluem juntas, outros só usam silicone e em muitos casos se usa ambos. Além do mais, esse tipo de equipamento utiliza uma parte crítica do sistema de admissão original, vista abaixo:

ttt
Este coletor plástico e o cano que levam o ar até a mangueira corrugada são muito difíceis de selar! A conexão entre ambos costuma soltar com a trepidação do motor.

Por fim, outro aspecto importante na hora de escolher um snorkel é o tipo de material do qual ele é feito: evite o os modelos de fibra de vidro, pois são mais suscetíveis a trincas. Prefira modelos de plástico injetado grosso ou mesmo modelos que mesclam partes de metal e borracha.

A posição do chapéu do snorkel

(((desenvolver)))

Instalando um snorkel ou RAI

O snorkel que escolhi para instalar na minha Defender é uma cópia chinesa da famosa marca australiana Safari, vendido no Brasil pela Trekmaster. Durante o encontro nacional Land Rover de 2016, realizado em Canela/RS, pude comparar diversos tipos e marcas de snorkels nos veículos dos participantes e não percebi grandes diferenças entre o modelo Trekmaster e o Safari original, então decidi arriscar em função de o preço ser três vezes menor.

O kit comprado é voltado, conforme indicação na caixa, para os motores Td5, mas também podem ser usados nos 300 Tdi. Estão inclusas, além do próprio snorkel, todas as peças necessárias para a instalação do equipamento, conforme imagem abaixo:

Peças inclusas no kit
Peças inclusas no kit

Cabe destacar que as peças inclusas no kit, bem como a instalação descrita abaixo, é para o tipo Raised Air Intake, pois são preservados os drenos originais do sistema de ar da Defender.

Fixando os prisioneiros no snorkel

A fixação do snorkel na lataria é feito com três prisioneiros que devem ser rosqueados nos alojamentos metálicos existentes na face interna do equipamento. Os prisioneiros possuem em uma das pontas um encaixe para chave allen, o que possibilita dar o devido aperto nos mesmos.

Uma dica é usar trava rosca líquido nos prisioneiros para reduzir a chance de algum se soltar. Recomendo iniciar por essa parte, de maneira a garantir o tempo de cura do trava rosca antes de efetuar a instalação.

n
Detalhe do encaixe para chave allen em uma das pontas do prisioneiro
h
Utilizando trava rosca líquido para reduzir chance de o prisioneiro afrouxar
h
Aperto final com chave allen (Cuidado! Não exagere no aperto…)

Marcando e furando a lataria

  1. Lavar lateral do jipe, junto a entrada de ar;
  2. Recortar o gabarito em papel fornecido no kit do snorkel;
  3. Posicionar e colar o gabarito com fita adesiva, usando a grade da entrada de ar como referência. Cuidado para não deixar o papel ondulado ou torto! Não tenha pressa…
  4. Com um punção ou outra ferramenta que possua ponta afiada, marcar o centro dos furos na lataria. Remover o gabarito e conferir se as marcações ficaram na posição correta usando o snorkel (verifique se os prisioneiros “encaixam” nas marcações dos furos);
  5. Conferir novamente se a posição dos furos está correta, usando o gabarito em papel;
  6. Fazer um furo sobre as marcar de referência usando uma broca fina de 3 ou 5 milímetros;
  7. Conferir novamente a posição dos furos usando o snorkel;
  8. Aumentar os furos usando uma broca 9 mm, fazendo o acabamento desses com uma lima redonda;
  9. No furo mais próximo a porta, existe uma pequena contra-chapa que também pode ser furada na mesma linha do furo da lataria. Desse modo é possível usar um pequeno soquete (encaixe de 1/4″) com extensão para fixar a contra-porca que prende o snorkel (veremos isso mais adiante);
  10. Colocar o snorkel na posição, encaixando os prisioneiros nos furos recém feitos e fazendo a fixação temporária destes (apenas os dois prisioneiros da dianteira são suficientes) para possibilitar a marcação dos furos que serão feito na coluna do para-brisas;
  11. Prender a chapinha em “L” no “pescoço” do snorkel, deixando o os furos de ajuste centralizados em relação aos parafusos;
    • Os “furos de ajuste” são mais largos em um de seus eixos, para permitir que a chapinha em “L” possa ser ajustada em alguns milímetros para compensar eventuais erros de furação.
  12. Pelo lado de dentro da coluna, soltar os parafusos Philips e remover o friso plástico. Afastar os eventuais fios e assemelhados que existem ali dentro;
  13. Marcar os furos da chapinha em “L” na coluna do para-brisas. Remover o snorkel e soltar a chapinha em “L” deste;
  14. Com broca e furadeira, fazer apenas um dos furos que foram marcados. Depois usar um rebite (sem rebitar, evidentemente) para alinhar com precisão a chapinha em “L” no furo e então conferir se as marcas dos outros furos seguem alinhadas. Caso necessário refaça as marcações, fazendo um furo por vez e colocando o rebite em posição para garantir o alinhamento.
  15. Depois de prontos os furos da coluna, instale a chapinha em “L” no snorkel e verifique o alinhamento de todo o conjunto colocando o snorkel em posição;
  16. Se o alinhamento estiver ok, aplique um pouco de silicone nos furos, coloque a borracha de isolamento incluída no kit, a chapinha em “L” e rebite a mesma no lugar;
h
Preparando para colocar gabarito e marcar os furos.
h
Marcando os furos
ff
Lataria furada! (Que dó…)
hh
Marcando os furos da chapinha em “L” na coluna.
hh
Removendo o friso e afastando os fios para não acertar nada com a broca
hh
Furos prontos (feitos um por vez, sempre conferindo o alinhamento na chapinha)
gg
Aplicando silicone nos furos antes de rebitar
ff
Chapinha em “L” rebitada (passei um pouquinho de silicone por fora dos rebites)

Preparação e desmontagem

  1. Com o freio de mão puxado e uma roda calçada, erguer a roda dianteira direita e usar um cavalete sob o eixo. Remover a roda;
  2. Remover o alargador flexível do para-lamas;
  3. Remover a grade da entrada de ar;
  4. Remover mangueira corrugada curta, entre a válvula Y e o tubo reto da admissão;
  5. Remover tubo plástico reto da admissão;
  6. Remover coletor plástico, onde a grade da entrada de ar é presa (dá trabalho…);
  7. Soltar dois parafusos philips e parafuso sextavado da parte anterior (junto a cabine) da chapa interna da caixa de roda;
  8. Soltar chapa de metal em “L” que serve de reforço entre para-lamas e chapa da caixa de rodas (ao lado do vaso de expansão do fluído de arrefecimento);
  9. Com uma cordinha, puxar e amarrar a ponta da lata da caixa de roda em direção a mola da suspensão, criando um pouco mais de espaço para a passagem da mangueira de borracha do snorkel;
  10. Na minha instalação, considerando que o espaço onde passa a mangueira é extremamente restrito, resolvi eliminar o máximo de “cantos vivos” que pudessem prejudicar a mangueira. Fiz isso de duas maneiras:
    1. Limando algumas pontas e bordas, onde foi possível;
    2. Aplicando generosas porções de durepox para ocultar os cantos vivos e proteger a mangueira (não esqueça de esperar o durepox curar antes de prosseguir com a instalação);
  11. A mangueira inclusa no kit possui dois diâmetros distintos nas pontas: o maior é colocado no bocal inferior que sai do snorkel, enquanto no menor é colocado o pedaço de tubo metálico que também é fornecido no kit, não esqueça de deixar espaço para conectar a ponta da mangueira corrugada original nesse tubo metálico, visto que ele serve de emenda. Aplique silicone nas faces de contato (opcional) e aperte as abraçadeiras com 5 N.m. de torque;
    • A mangueira deve ser posicionada de maneira que a ponta livre, de menor diâmetro, fique o mais “para frente” quanto possível (foto mais adiante)
  12. Na minha instalação eu também optei por usar fitas auto-adesivas de vedação (espécie de espuma emborrachada ou neoprene) para isolar o contato entre as superfícies do snorkel e da lataria. Assim espero que areia, pó, barro e afins não prejudiquem tanto a pintura na região do snorkel. Para tanto eu apenas limpei a face interna do snorkel e apliquei com sobras a fita, linha por linha lado a lado. Ao final cortei todas as sobras com um estilete bem afiado para fazer o contorno;
hh
Para soltar as presilhas do alargador de para-lamas, use um rebite e um martelo para empurrar o pino central para dentro até que ele caia (é importante guardar os pinos para recolocar as presilhas depois!). Com todos os pinos centrais removidos basta puxar o alargador que todas as presilhas devem ceder.
ttt
Tubo reto da admissão e coletor plástico removidos
ee
Foto para ilustrar o espaço extremamente restrito dentro do para-lamas, em função do motor do ventilador e da caixa do radiador do ar quente.
jj
Protegendo os cantos vivos com durepox. Ficou muito bom, recomendo!!!
Posição da mangueira no bocal
Posição da mangueira e da abraçadeira no bocal
Posição da mangueira e da abraçadeira no bocal
Posição da mangueira e da abraçadeira no bocal
Tiras da fita de borracha auto-adesiva para proteger a lataria
As tiras da fita de borracha auto-adesiva para proteger a lataria.
A fita usada
A fita usada na proteção
Lataria protegida
Lataria protegida
Colocando e fixando o snorkel
  1. Depois que o durepox usado na proteção dos cantos vivou secar, lambuze todas as faces internas do para-lamas (obviamente apenas no trajeto aproximado da mangueira), bem como a própria mangueira, com detergente de lavar louças. Isso facilitará imensamente a colocação da mangueira, considerando que o espaço é extremamente apertado;
  2. A colocação do snorkel com a mangueira e o tubo de metálico instalados não é fácil ou simples. Dá trabalho e exige boa dose de paciência para sucessivas tentativas. Se houver uma pessoa para segurar o snorkel e outra para “guiar” a mangueira por dentro do para-lamas, o serviço sem dúvida fica mais fácil. O cabo de um martelo será útil na tarefa de guiar/desviar a mangueira.
  3. Quando for possível alinhar os três prisioneiros do snorkel nos furos da lataria, é provável que a mangueira de borracha esteja na posição correta (quando isso ocorrer será possível conectar o tubo metálico até a válvula “Y” usando a mangueira corrugada original da defender, mas isso só será adiante);
  4. Usar as arruelas largas e as porcas fornecidas no kit para fixar os prisioneiros do snorkel através da lataria. O prisioneiro junto a porta do carona é de difícil acesso, mas com jeitinho se consegue colocar a mão pelo cofre do motor, ao lado da caixa do radiador do ar quente, para acessá-lo. O truque para facilitar a colocação da porca e da arrula é colar uma na outra usando super bonder, aí com os dedos se dá o aperto inicial apenas que para que o conjunto fique preso no prisioneiro;
  5. Apertar as porcas de fixação nos prisioneiros, cuidando para não forçar demais (pode acabar arrancando a pecinha metálica do plástico injetado);
    • Para fixar a porca do prisioneiro de difícil acesso eu usei um conjunto de soquetes e chaves com encaixe de 1/4 de polegada, cuja extensão é fina o suficiente para passar no furo da contra-chapa que foi feito no início da instalação. O processo aqui é tosco: primeiro se coloca apenas o soquete, com a pontinha dos dedos, na porca, depois se passa a extensão através do furo da contra-chapa e por sim se encaixa a chave na extensão. Só então se consegue fazer o aperto desse porca no prisioneiro.
  6. Com os parafusos restantes no kit, fixar a chapinha em “L”, rebitada no quadro do para-brisas, no “pescoço” do snorkel (não exagere no aperto);
  7. Conectar o tubo metálico que foi instalado na ponta da mangueira de menor diâmetro do snorkel a válvula “Y” da defender, usando a mangueira corrugada original (novamente é possível usar silicone nas faces de contato);
  8. Instalar o chapéu do snorkel e prender a abraçadeira;
  9. Soltar a cordinha que puxava a chapa de metal da caixa de roda (presa na mola);
  10. Recolocar todos os parafusos da chapa de metal da caixa de roda, não esquecendo do reforço em “L” na parte interna junto ao vaso de expansão;
  11. Recolocar o alargador do para-lamas, reaproveitando as presilhas removidas;
  12. Recolocar a roda;
  13. Retirar o cavalete sob o eixo e baixar a defender;
  14. Está pronto!
ll
Colando a porca na arruela para facilitar a colocação
fe
Truque para facilitar a fixação do prisioneiro junto a porta do carona
hh
Snorkel instalado!
hh
Deixei o chapéu um ou dois centímetros abaixo da linha do teto.