Consertando a bóia do tanque de combustível

Introdução

As Defender’s com motor 300 Tdi possuem dentro do tanque de combustível uma peça que serve como pescador/retorno de combustível e bóia para indicação do nível dentro do tanque, cujo valor é apresentado pelo indicador de combustível no painel de instrumentos. A bóia em si nada mais é do que um pequeno braço articulável com um plástico (bóia) em uma de suas pontas e uma pequena escala graduada na outra. Conforme o combustível é consumido, o braço que contém a bóia desce e o sinal elétrico que passa através da escala graduada é alterado, fazendo com que o ponteiro do marcador mude de posição. Como o sistema é bem simples e necessita de um sinal elétrico mínimo, os fios que fazem a ligação entre o braço, a escala e o chicote são bastante finos, então com o passar dos anos ou o fio ou a solda acabam por quebrar. Assim o sinal elétrico é interrompido, fazendo com que o indicador de combustível no painel marque totalmente vazio (incluindo a luz da reserva acesa) mesmo que o tanque esteja cheio. A única solução é drenar completamente o tanque, removê-lo, retirar o conjunto pescador/bóia, reparar a solda e/ou o fio e remontar tudo. Fique atento e não remova seu tanque à toa: quando o problema está na bóia do tanque, apenas o indicador de combustível deixa de funcionar no painel! Além disso, se qualquer outro mau funcionamento elétrico estiver presente, talvez o problema não seja a bóia!

Baixando o tanque
  • Comece limpando com água e um pano as mangueiras que ligam o bocal de abastecimento ao tanque de combustível, logo atrás da roda traseira do lado do carona. A ideia é remover sujeira, areia, etc para que estas não entrem no tanque ou nas próprias mangueiras;
  • Na mangueira grossa, soltar a abraçadeira junto ao tanque de combustível. Se for a abraçadeira original, que é de “segurança” e não possui parafuso, será necessário usar um alicate para lentamente soltá-la. Depois desconecte a mangueira do tanque;
  • Na mangueira fina, soltar a abraçadeira junto ao bocal de combustível e depois desconecte a mangueira do bocal;
  • Pelo orifício da mangueira grossa junto ao tanque, insira uma mangueira para drenar o combustível do tanque para um recipiente limpo. O ideal é drenar o máximo possível de combustível para reduzir o peso do tanque ao baixá-lo;
  • Remova os olhais de ancoragem junto ao chassi, se existirem;
  • Junto a travessa traseira (ou para-choque) existem dois pequenos orifícios onde se enxerga as porcas que fixam o protetor/suporte do tanque. Eu optei por soltar as porcas quase totalmente, mas sem removê-las. Assim foi possível baixar a parte da frente do tanque sem correr o risco de a parte traseira “escapar” do lugar;
  • Usar um macaco para apoiar a parte da frente do protetor/suporte do tanque antes de soltar os dois parafusos que o fixam no chassi;
  • Soltar os dois parafusos e lentamente ir abaixando o macaco, assim o protetor/suporte e o próprio tanque começam a abaixar. Monitore a mangueira fina que foi solta junto ao bocal, pois conforme o tanque baixa ela estica e retém o mesmo. Também monitore a mangueirinha do respiro do tanque, junto a roda traseira do lado do motorista, soltando ela dos clips plásticos assim que possível (esta mangueirinha não será removida do tanque);
  • Remova as porcas que fixavam o protetor/suporte junto a travessa traseira e posicione alguns tocos de madeira no chão logo abaixo do tanque para apoiá-lo quando este estiver solto;
  • Em algum ponto do processo o protetor/suporte continuará baixando, mas o tanque não. Provavelmente o bocal do tanque onde estava ligada a mangueira grossa encostou no chassi, impedindo o tanque de descer. O que eu fiz foi descer o máximo possível do protetor/suporte e depois inclinei o tanque lateralmente para ganhar espaço e permitir que esse encaixe se soltasse do chassi. Com isso todo o conjunto se soltou, ficando preso apenas pelo chicote elétrico da bóia e pelas mangueiras de combustível (NOTA: embora o volume e a posição do tanque dificultem sua movimentação, fui capaz de fazer o serviço sozinho, pois o conjunto tanque e protetor não é pesado (desde que o tanque esteja completamente vazio);
  • Então apoiei todo o conjunto sobre os tocos de madeira, o que me deu bastante espaço para acessar e soltar as mangueiras de combustível (eu não fazia ideia de como funcionava as presilhas destas, então precisa enxergar de perto);
  • As presilhas das mangueiras de combustível da minha Defender possuem dois pequenos “botões” quadrados em lados opostos, bastando pressioná-los para então puxar e soltar as mangueiras do tanque. Neste ponto é bem provável que seja necessária uma boa limpeza nas presilhas, pois ali se acumula muita areia, terra, etc, o que impede os “botões” de serem pressionados (uma dica é marcar uma das mangueiras para não trocá-las na hora de remontar). Soltar também o conector elétrico da bóia, observando que existe um clip de pressão que o mantém fixo. É preciso apertar esse clip para depois puxar o conector;
  • Utilize fita crepe para proteger as conexões junto as mangueiras e ao tanque no ingresso de sujeira;
  • Com isso o tanque estará livre para ser removido. Remova e armazene qualquer resíduo de diesel. Próximo passo é lavá-lo o melhor possível para remover toda sujeita, dando especial atenção ao grande anel metálico que fixa o conjunto pescador/bóia ao tanque. Use um arame fininho e água em abundância para remover quaisquer detritos que estejam sob o anel (estes irão dificultar a remoção do anel);
Limpando o entorno das conexões das mangueiras
Removendo a abraçadeira de segurança com alicate (tive que descartar e colocar uma nova, normal, no lugar)
Drenando o diesel que estava no tanque
Apoiando o protetor do tanque com o macaco antes de soltar os parafusos
Soltando os dois parafusos junto a travessa do chassi
Afrouxando as duas porcas do protetor dentro da travessa traseira (para-choque)
Após baixar um pouco o macaco, já era possível ter acesso as conexões de combustível e do chicote, mas como não sabia como soltá-las, tiver que descer ainda mais o tanque
Usei tocos de madeira para descer o tanque o máximo possível sem forcar as mangueiras e o chicote
Com pleno acesso a parte superior do tanque, consegui entender o simples mecanismo das conexões de combustível. Repare o grande acúmulo de sujeira…
Acúmulo de sujeira entre o protetor e o tanque…
…junto a bóia…
…e na parte da frente do tanque… Sujeira de muitos anos, visto que o tanque nunca havia sido removido!
Soltando o conjunto pescador/bóia do tanque de combustível
  • Com tudo meticulosamente limpo, o próximo passo é remover o anel metálico que fixa o conjunto ao tanque. Primeiramente eu coloquei o tanque sobre um papelão, para evitar qualquer dano a parte inferior do mesmo junto ao chão e depois usei as pernas para travar o tanque e impedi-lo de girar. Para soltar o anel metálico, que estava bem apertado, improvisei com uma extensão de chave de boca (que possui uma ponta com encaixe de ½ polegada e bordas lisas de 90°) e um toco de madeira para ir batendo nos pequenos frisos existentes nesse anel até que o mesmo começasse a girar. O truque aqui é alternar entre os diversos frisos, dando uma pancada seca com o toco de madeira em cada um, com força moderada/baixa. Não tenha pressa, cuide para encaixar a extensão com precisão e firmeza antes de dar a pancada com o toco. Caso mais sujeira se desprenda de dentro da peça, limpe com água em abundância;
  • Quando o anel se soltar, o conjunto dará um pequeno salto para cima em função das molas internas que mantém as mangueiras de combustível junto ao fundo do tanque. Depois é só remover o mesmo de dentro do tanque, podendo então o tanque ser limpo por dentro e depois deixado para secar. Limpe também a borracha de vedação da peça e o anel metálico preto, garantindo que nenhuma partícula de sujeira esteja presa na rosca interna ou nos pequenos frisos da parte superior;
Preparando o tanque para limpeza após removê-lo
Usando uma extensão de soquete e um toco de madeira para soltar o anel metálico que prende a bóia ao tanque
Anel solto!
Consertando a bóia de combustível
  • Ao remover a peça do tanque será fácil localizar o problema, que provavelmente será o fio que liga o braço articulável da bóia ao pequeno olhal fixo no corpo da peça. O fio provavelmente se soltou de alguma ou em ambas as soldas;
  • Com papel toalha de cozinha, seque o melhor possível a peça para eliminar resíduos de diesel;
  • Usando um ferro de solda, desfaça as soldas de onde o fio se soltou. Tudo fica mais fácil se você usar um sugador de solda;
  • Utilize um fio novo de bitola semelhante ao fio original, mas de comprimento um pouco maior. Ao consertar essa ligação, tenha em mente que o sistema se movimenta, portanto é preciso deixar espaço para o conjunto trabalhar sem forçar o fio ou as soldas. Nos pontos de solda use apenas o mínimo estanho possível, para não deixar os pontos muito rígidos, o que fragiliza o reparo. Antes de fazer a solda, raspe as faces com a pontinha de um estilete bem afiado, limpando a seguir com álcool (melhor se isopropílico). Também é ideal usar pasta de solda no processo;
  • Uma melhoria possível de se fazer nessa etapa do conserto é usar um fio 2 vezes mais comprido do que seria usado, dividindo ele no meio e deixando o ponto onde “a metade dobra” exatamente no olhal do braço articulável. Daí um fio segue o caminho do fio original, enquanto o outro fio segue por um caminho alternativo e fica de backup. “Seguro morreu de velho…”;
  • Depois de concluídas as soldas, reconecte o conjunto pescador/bóia ao chicote do veículo e mexa o braço para cima (para simular combustível dentro do tanque), daí gire a chave no contato apenas para ligar os indicadores do painel. Se tudo estiver ok, o indicador de combustível sairá no zero e a luz da reserva apagará;
A causa do problema: o fio que liga a escala graduada da bóia ao olhal no corpo da peça quebrou nas duas soldas e ficou preso no braço da bóia
Segmento de fio quebrado
Olhal no corpo da peça com a solda e resto do fio quebrado
Solda removida
Quando algo der errado, improvise!
  • Se você não teve problemas até o final do item anterior, provavelmente o que está escrito abaixo pode ser desconsiderado. Mas se você teve problemas com o pequeno olhal onde o fio é preso no braço articulável, então o que está escrito abaixo pode vir a ser útil;
  • Ao refazer a solda no olhal do braço articulável, o mesmo acabou quebrando. Possivelmente após anos de um movimento lateral mínimo o fino metal acabou fadigando até ceder no momento da solda (melhor agora do que após recolocar o tanque no lugar, né?). Bom, hora de improvisar…
  • Comecei desmontando o braço articulável da presilha plástica, assim pude remover essa peça e a chapinha de metal que atua na escala graduada. Daí comecei a pensar como fazer para soldar o fio sem prejudicar o movimento do braço e deixando espaço para os fios se movimentarem conforme o sobe e desce do braço sem forçar a solda. Após analisar e tentar algumas abordagens, decidi colocar o fio entre a pequena travinha da chapa e a “agulha” que atua na escala graduada, fazendo a solda no meio do fio e deixando duas pontas compridas que depois seriam soldadas no olhal junto ao corpo da peça;
  • Antes de fazer a solda, raspei com o estilete a face da chapinha para remover a leve camada de oxidação que ali havia e depois limpei tudo com álcool. Também usei pasta de solta no processo. Com o fio já instalado, remontei tudo e testei para garantir a livre movimentação de todo o conjunto;
  • Depois foi apenas questão de soldar as duas pontas do fio, que seguem por caminhos distintos, junto ao olhal do corpo da peça e fazer o teste descrito no final do item anterior;
Desastre! Quebrou o olhal na fina chapinha que atua na escala graduada!
Local escolhido para soldar o fio na chapinha
Remontando a chapinha
Os novos caminhos dos fios
Testando a bóia com toco para simular combustível no tanque
Funcionou!
Recolocando o pescador/bóia no tanque
  • Antes de remontar o conjunto, inspecione a parte interna do tanque para garantir que está limpa e seca. Inspecione também o bocal onde o anel metálico será rosqueado para garantir que está livre de qualquer sujeira;
  • Optei por aplicar um pouco de WD40 na borracha de vedação e nas roscas do tanque e do anel metálico preto antes de remontar o conjunto, pois isso reduz o stress nas peças na hora de remontar;
  • Recoloquei a borracha de vedação no lugar, depois recoloquei o conjunto pescador/bóia pressionando o mesmo para baixo de modo que o topo desta peça se encaixasse na parte plástica junto ao tanque (existe um pequeno encaixe plástico que garante o alinhamento do conjunto, observe para que o mesmo esteja alinhado entre as peças antes de fazer pressão). Quando as peças estão perfeitamente alinhadas e encaixadas, todo o conjunto fica perfeitamente alinhado e sem nenhum tipo de fresta;
  • Coloquei o anel metálico em posição e lentamente comecei a rosqueá-lo com uma mão enquanto mantinha a peça pressionada para baixo com a outra mão. Quando não foi mais possível apertá-lo com a mão, passei a usar a extensão e o toco de madeira novamente. Como não como saber o torque que está sendo aplicado na peça é preciso usar de muito bom senso para determinar quando o conjunto está bem preso. Se apertar demais pode quebrar algo, se apertar de menos podem ocorrer vazamentos… Portanto todo cuidado é pouco;
  • Como a região do tanque é propícia para acumular sujeira e é muito difícil de ser limpa durante as lavagens normais do veículo, optei por aplicar silicone comum por toda a volta no anel metálico preto, buscando apenas reduzir o ingresso e acúmulo de sujeira na parte interna da rosca;
Tudo de volta no lugar!
Aplicando silicone na parte externa do anel metálico que fixa a peça no tanque
Silicone depois de seco. Espero que reduza o acúmulo de sujeira dentro do anel
Aproveitando a remoção do tanque para outras melhorias
  • A remoção do tanque de combustível deu acesso a uma porção oculta do chassi, onde encontrei um pouco de ferrugem em estado inicial junto a uma travessa, junto a parte interna do para-choque e na parte interna da chapa do protetor do tanque. Considerando que minha Defender já morou na praia com o primeiro proprietário (sou o 2° dono) e que as vezes eu faço uns passeios mais “sujos” com ela, até que a ferrugem encontrada foi mínima (em parte graças ao meu TOC com a limpeza do chassi e de toda parte inferior da Defender – para mim a parte mais crítica de todo o veículo);
  • A correção da ferrugem se restringiu ao uso de escova de aço na furadeira para remoção da ferrugem solta, limpeza com aguarrás e pano e aplicação de 3 generosos demãos de tinta Hammerite com respeito ao tempo de cura da tinta entre os demãos;
  • Também aproveitei o acesso a parte superior do tanque para providenciar a troca da mangueira do respiro do bocal de abastecimento, pois esta estava rachada. Comprei uma mangueira de borracha nova específica para uso com derivados de petróleo (combustíveis). Com parede duas vezes mais grossa que a mangueira original e feita “nos USA”, essa mangueira me pareceu “coisa de primeira”!;
  • Outra melhoria foi a troca de todas a porcas, arruelas e parafusos originais por versões correspondentes em inox;
  • E por fim aproveitei o espaço para fazer uma limpeza meticulosa de toda sujeira acumulada com água e sabão;
Ferrugem superficial encontrada
Depois de lixar e limpar, demão inicial de hammerite
Depois de lixar e limpar, demão inicial de hammerite
Ferrugem encontrada
Preparando superfície antes de pintar com hammerite
Novos parafusos, porcas e arruelas em inox
Nova mangueira do respiro do tanque
Hora de remontar
  • O processo de remontar é precisamente o contrário do de desmontar. Apenas tive que aplicar detergente de cozinha na nova mangueira do respiro de combustível para facilitar sua passagem no espaço do chassi, pois esta nova mangueira possui diâmetro externo maior do que a mangueira original. Apenas para fins de registro, fiz o seguinte:
  • Recoloquei os tocos de madeira no chão, colocando o protetor e o tanque sobre estes a seguir;
  • Removi as fitas crepe que estavam protegendo as conexões de combustível e reconectei as mesmas, assim como o chicote elétrico (cuidado para não inverter as mangueiras de combustível);
  • Comecei a subir o tanque com as mãos, usando as pernas para dar apoio quando necessário. O primeiro objetivo é encaixar o bocal do tanque junto ao chassi, pois precisa inclinar o tanque. Depois se encaixa os parafusos do protetor na travessa traseira (para-choque), não esquecendo das arruelas que existem ali. Então se usa o macaco para manter o protetor em posição, mas ainda sem fazê-lo subir;
  • Aproveitando o espaço e “jogo” disponíveis, reinstale a mangueira fininha do respiro do tanque nos seus clips originais. Recoloque as porcas que fixam o protetor na travessa traseira, mas sem apertá-las (apenas “encoste” as mesmas);
  • Confira se os frisos existentes no tanque se alinham com os do protetor. Confira se o conjunto sobe sem esforço e sem encostar ou raspar em nada. Não tenha pressa;
  • Comece a erguer o macaco para subir o protetor e o tanque até sua posição final, sempre verificando se as mangueiras e o próprio tanque não estão sendo forçados, se não estão raspando em nada, etc;
  • Recoloque os parafusos que fixam o protetor no chassi. Aperte as porcas do protetor que haviam sido “encostadas” junto ao para-choque;
  • Reconecte as mangueiras entre o tanque e o bocal;
  • Abasteça o tanque e cruze os dedos antes de girar a chave!

4 respostas para “Consertando a bóia do tanque de combustível”

    1. Obrigado, Roberto! A maior recompensa é saber que estamos compartilhando informações úteis para a comunidade Land Rover! Abraço!

  1. Excelente trabalho ! Mas fiquei na dúvida : seu Defender (no masculino porque Defender é carro “macho”) é 90 ou 110 ??

Os comentários estão desativados.