Começando a consertar sua Defender…

Pesquisa

O ponto inicial de qualquer reparo é um diagnóstico preciso do que precisa ser verificado, reparado e/ou consertado. Algumas coisas são evidentes, como um vazamento, outras nem tanto, como um mau contato, mas como para quase tudo que pode ocorrer em uma Defender muitas pessoas no mundo já passaram por esse mesmo problema e, muito provavelmente, algumas delas publicaram seus relatos na internet. Conversar com outros proprietários também pode ajudar muito na hora de descobrir onde está o problema, bem como qual a possível solução e melhoria para que isso não se repita tão cedo.

A etapa de diagnóstico muitas vezes é chata e cansativa, mas subestimá-la pode acarretar em tempo e dinheiro gastos em consertos que não eliminam os problemas que estamos enfrentando (quem nunca enfrentou isso em uma oficina “profissional” e muitas vezes “especializada”?). O diagnóstico preciso gerará uma relação de itens a verificar e a substituir, mas é preciso lembrar que as vezes outros itens que nada tem a ver o com problema inicial talvez estejam no caminho e precisem ser removidos.

Nesse ponto já estamos na etapa de pesquisa sobre como efetuar os procedimentos para reparar e trocar os itens que diagnosticamos como causadores dos problemas. Aqui nossa bíblia sagrada se chama Manual de Oficina! Nesse ponto a Defender 300 Tdi é formidável, pois possui uma coleção de manuais oficiais da Land Rover disponíveis na internet. Sim, algumas coisas descritas nos manuais poderiam ser melhoradas ou complementadas, mas o “Norte” de como realizar um conserto está ali, existindo toda a internet para possibilitar a pesquisa complementar.

O passo a passo do manual fornecerá uma sequência do que deve ser feito, das ferramentas que precisaremos e dos torques de reaperto dos parafusos na hora de montar tudo de volta. Imprima as páginas de interesse do manual, anote e providencie tudo que irá precisar, tire todas suas dúvidas e siga adiante! Os primeiros consertos que fazemos serão sempre os mais desafiadores, mesmo que seja para trocar uma simples lâmpada de farol. Só com o tempo ganhamos confiança para executar reparos mais complexos.

Figura do Manual de Oficina
Figura do Manual de Oficina
Workshop manual com indicações de torque
Ferramentas, consumíveis e peças de reposição

Aqui não há segredos nem atalhos para o “sucesso”: as ferramentas certas, consumíveis (WD40, fita isolante, silicone de alta temperatura, etc) e peças de reposição de qualidade são itens indispensáveis na hora de fazer um conserto. Algumas ferramentas e itens de consumo possuem um custo alto, que deve ser verificado na hora da pesquisa, mas de modo algum devemos tentar executar um serviço sem as ferramentas, itens de consumo e/ou peças de reposição necessários.

Por ferramentas certas não me refiro apenas ao tamanho de uma chave de boca, mas também e principalmente a sua qualidade. É possível, embora não seja nem um pouco recomendável, comprar um jogo completo de chaves de boca chinesas pelo preço de duas ou três chaves de boca de uma marca de renome. Em último caso, compre apenas as chaves necessárias ignorando o jogo completo / kit. Se você não entende nada de tipos de ferramentas, marcas, etc, comece pesquisando isso na internet. Mas em resumo: ferramenta boa custa caro, mas dura praticamente pra sempre e, mais importante, não vai “abrir o bico” quando você mais precisar dela.

O mesmo vale para os consumíveis, principalmente para os silicones de alta temperatura usados em juntas e para os adesivos trava-rosca de parafusos. De modo algum ignore a necessidade e qualidade desses itens em função de seu custo, mesmo que seja necessário em apenas um único parafuso. Sempre compre os itens da melhor qualidade possível, lendo atentamente suas instruções de uso e respeitando os tempos de cura indicados na embalagem. Muitos vazamentos têm origem justamente no mau uso desses silicones: de baixa qualidade, inadequados, limpeza das faces de contato mal feita, excesso ou falta de silicone, etc…

Em relação as peças de reposição para a Defender existe uma grande variedade de marcas e preços disponíveis hoje no Brasil, a pronta entrega. Algumas peças também podem ser adaptadas, com um maior ou menor grau de gambiarra, de outros veículos. Contudo a sugestão aqui é: quanto mais complicado for fazer a troca de determinada peça, maior a qualidade que esta deve ter. Ou seja, não economize em um rolamento de diferencial ou em um esticador de correia dentada. Compre o melhor possível. Deixe a economia para uma lente de sinaleira, uma borracha de porta ou um item qualquer de acabamento ou acessório (embora nem para esses itens eu gaste meu dinheiro em peças de “renomada falta de qualidade”).

Minha “filosofia” é gastar em ferramentas, consumíveis e peças da melhor qualidade possível tudo que eu gastaria em mão de obra de oficina se não fizesse eu mesmo o serviço em casa. E tenho certeza que mesmo assim estou economizando dinheiro!

Veda rosca líquido Loctite: custa uma pequena fortuna, mas é inigualável na vedação de roscas
Trava rosca vermelho: nunca mais esse prisioneiro do snorkel sairá daí
Prisioneiro do esticador da correia denta: upgrade por um de aço mais forte e instalado com trava rosca vermelho. Definitivo.
Exemplo de ferramenta especial: chave para soltar o acoplamento viscoso da hélice do radiador
Uso não crítico de torquímetro: apertar porca de roda
Uso crítico de torquímetro: tensão do esticador da correia dentada

 

Espátulas profissionais para acabamentos automotivos: facilitam muito!
Upgrade de peça: bomba original com rotor plástico e a nova com rotor metálico
Tempo

Tão importante quanto a pesquisa e as ferramentas é ter tempo (de sobra, se possível) para executar todos os passos de um conserto. Praticamente todos os consertos que fiz foram a noite, após o expediente normal de trabalho, naquelas horas em que provavelmente estaria assistindo televisão. Obviamente a disponibilidade de tempo também significa a possibilidade de ficar alguns dias (ou semanas) sem usar o veículo, principal fator que impede muitos de fazer a manutenção em casa.

Contudo, o principal aspecto a considerar ao investir tempo na Defender é o aprendizado que ganhamos. Para aqueles que só usam a Defender nas cidades ou em estradas conhecidas talvez isso não soe tão importante. Mas para aqueles que usam a Defender em viagens longas por lugares desconhecidos e/ou com pouca infraestrutura, conhecer o veículo e seu funcionamento, bem como saber consertá-lo (mesmo que na base da gambiarra apenas para continuar rodando) pode ser a diferença entre o fim mal sucedido de uma viagem ou mais uma história para contar sobre como seguimos viagem usando um cordão como acelerador de mão, ou removemos um cardan para isolar um eixo, ou trocamos um rolamento de esticador de correia em um posto de gasolina de beira de estrada…

Saber a hora de parar

Mesmo com toda pesquisa, ferramentas certas e tempo disponível, as vezes as coisas simplesmente não saem como o planejado. Um parafuso ou peça presa, um local difícil de trabalhar (onde a chave quase não entra ou onde ficamos em posição desconfortável por horas), imprevistos como gambiarras feitas por donos anteriores ou por mecânicos, chaves que escapam e parafusos que insistem em cair das nossas mãos minam nossa paciência e disposição de fazer um bom serviço. É nesse momento que precisamos reconhecer a hora de guardar tudo e deixar para continuar no dia seguinte.

As vezes também surgem situações e dúvidas que não previmos na hora da pesquisa, onde é preciso parar para adquirir o conhecimento necessário para dar continuidade ao reparo. Simplesmente não vá adiante na base do “achismo”, se está em dúvida pare e pesquise até que não existe mais dúvida do jeito certo de avançar.

Conforme ganhamos experiência, o tempo necessário para recompor a calma e a paciência diminui, não sendo mais necessário esperar até o dia seguinte para continuar o trabalho. As vezes colocar as ferramentas em ordem, varrer o chão e juntar o lixo ou fazer um lanche, etc, são suficientes para garantir o bom andamento dos trabalhos. Apenas tenha em mente que “dar um tempo” pode ser de grande importância no sucesso de um conserto.

Bujão plástico do arrefecimento: quebrou ao remover (posteriormente trocado por um de metal)
Pista superior do reparo do braço pitman trincada após “atravessar” durante a colocação. Tive que comprar um kit novo.
Preciosismo

Consertar seu veículo em casa não é desculpa para fazer mal feito ou de modo desleixado, mas justamente o oposto disso. Seja meticuloso em relação a limpeza das partes e peças envolvidas no serviço: limpe impecavelmente as superfícies onde existem juntas de papel ou silicone, escove a cabeça dos parafusos e porcas com escova de aço e WD40 antes de removê-los, para garantir o perfeito encaixe daquela cara ferramenta de qualidade que você comprou.

Anote a posição das porcas e parafusos removidos, fazendo a limpeza de todos eles com WD40 e escova de aço, limpe também os furos onde estes são fixados. Use porcas auto-travantes novas se possível, pois estas perdem capacidade de resistir a vibrações após serem reutilizadas algumas vezes. Aliás, troque tudo que não estiver com cara e jeito de novo: arruelas, porcas e parafusos enferrujados ou com marcas de uso deve ser trocados, mesmo que seja necessário parar tudo para providenciar sua compra (é neste ponto que eu aproveito para comprar e trocar todos esses itens por versões idênticas em inox).

Siga com afinco a sequência indicada no manual, bem como os valores de torque indicados para os parafusos. Alguns serviços mais simples até podem ser feitos sem o uso de um torquímetro, mas possuir e saber usar essa ferramenta é fundamental na grande maioria dos reparos. Então desde o início considere a compra e o uso do torquímetro, pois assim você não vai precisar aprender a usar um torquímetro quando estiver trocando a correia dentada.

Seja preciosista também na hora de aproveitar um determinado conserto para efetuar melhorias ou revisões onde quer que seja possível: na troca da correia dentada troque todos os rolamentos das polias de alinhamento das correias externas, na troca da embreagem troque o garfo por um modelo heavy-duty, na troca da bomba d’água escolha uma nova com rotor metálico, etc. Sempre pesquise como fazer o melhor reparo possível, mas também onde mais é possível fazer melhorias e upgrades.

Usando papelão para guardar a posição dos parafusos da bomba d’água
Guardando a posição dos parafusos da Tcase
Novos parafusos, porcas e arruelas em inox
Face do câmbio ao remover
Eixo dianteiro do câmbio, após limpeza, troca do retentor e remontagem com silicone.
Volante do motor removido: sujo e com desgaste
Volante após passe no torno com 0,2 mm de material de face removido
Troca da arruela da suspensão por uma original nova, pois apresentava leve desgaste
Parafusos limpos e tratados e uso de graxa de cobre ao reinstalar
Aprenda a improvisar

Algumas vezes simplesmente não conseguimos avançar respeitando o manual: o parafuso ou terminal de direção não solta, a rosca ou parafuso espana, a ferramenta certa (geralmente as ferramentas de oficina da própria Land Rover) não existem para compra ou realmente custam uma fortuna… Enfim, não temos alternativa se não “dar um jeito”.

Há situações em que precisaremos fazer ou adaptar ferramentas especias, o que não significa improvisar de qualquer jeito. É possível fabricar ferramentas que cumprem perfeitamente seu propósito custando uma fração da ferramenta certa, mas que vão exigir materiais de resistência adequada, muitas medições e alguma criatividade. A defender é um veículo simples, logo as ferramentas especiais são poucas e geralmente também são simples…

Outras situações demandam “técnicas” que não constam nos manuais, tais como aquecer ou resfriar metais para usar a contração ou dilatação a nosso favor, colar porcas e arruelas com super bonder umas nas outras (já colei uma porca na ponta do dedo para conseguir recolocá-la no lugar), ou preparar com semanas de antecedência a remoção de um item ao diariamente “dar um banho” de WD40 nele (terminais de direção, braço pitman, etc).

Dois furos na tampa e alguns metros de mangueira flexível são suficientes para improvisar uma “bomba” para óleo de diferencial: basta assoprar!
Funciona para óleo do câmbio também!
Colando a porca na arruela para facilitar instalação de snorkel
“Dispositivo” para instalar reparo do braço pitman
“Dispositivo” em uso…
Improvisando (de modo tosco, confesso) um sacador da ponteira da barra de direção. E funcionou…
Pino do cilindro escravo com reforço de fixação em arame fino
Dando um gelo na bucha nova para facilitar a instalação
Medidas da ferramenta especial para alinhar disco de embreagem (cortesia do Sr. Ary Nunes)
Ferramenta centralizadora usinada em alumínio.
Improvisando uma maneira de travar as polias auxiliares para afrouxar seus parafusos
“Dispositivo” alinhador de retentor feito com gargalo de garrafa PET
“Dispositivo” para sacar polia do virabrequim: retalho de cantoneira grossa com dois furos na distância exata e parafusos do comprimento certo: funcionou perfeitamente.
Fotografe

Registrar a sequência de um conserto pode ser muito útil na hora de remontar as coisas. As vezes não lembramos onde estava um parafuso, ou ficamos em dúvida se tal peça realmente estava naquela posição. Nesse aspecto o registro fotográfico traz segurança quando surgem dúvidas, pois via de regra a imensa maioria dos consertos vão dar certo se você desmontar e montar os componentes na mesma ordem. Além disso, as fotografias servem para ilustrar determinado conserto em um fórum da internet, em um DIY ou mesmo para aquele amigo que está pedindo ajuda pelo Whatsapp.

Reconheça seus limites

Ao terminar a etapa de pesquisa e sanar todas as eventuais dúvidas, ainda não nos sentimos seguros para realizar determinado conserto. Se isso acontecer, simplesmente leve a Defender na sua oficina de confiança e fique tranquilo, não é por que você possui uma Defender que você precisa ser um mecânico profissional.

Revisão após alguns dias

Independentemente do conserto realizado, sempre faça inspeções em todos os itens que foram mexidos alguns dias após voltar a usar o veículo. Confira o aperto dos parafusos, abraçadeiras e eventuais vazamentos. Na dúvida refaça tudo ou leve em uma oficina especializada.